O CONTROLE DO ESPAÇO DO SERTÃO: OS CAMPOS DE CONCENTRAÇÃO DO CEARÁ NA SECA DE 1932

Leda Agnes Simões de Melo LASM

Resumo


Este trabalho visa compreender a feitura dos campos de concentração do Ceará, implementados pela Inspetoria Federal de Obras Secas (IFOCS) na seca de 1932. O que nos interessa em específico é entender essa medida por meio do controle e domínio do espaço do sertão. Podemos pensar também como ainda, neste contexto, os sertões eram vistos como áreas “atrasadas” em que pesava sobre eles a necessidade de que se avançasse uma sociedade “moderna” e “civilizada”. E essas visões estão relacionadas a um modelo de sociedade em que ainda imperava o que Walter Mignolo conceitua como “legados coloniais”. Nesse sentido, refletiremos como esses “legados” podem ser um caminho epistemológico possível para analisar o controle do espaço por meio dos campos de concentração.


Texto completo:

PDF

Referências


A extensão dos soccorros aos flagelados. Quasi 80 mil homens nas obras do governo. Correio da Manhã. Rio de Janeiro: Ano XXI- Nº 11493, 31 de maio de 1932.

AB’SÁBER, Aziz Nacib. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Dossiê Nordeste Seco. Revista Estudos Avançados 13 (36), São Paulo, 1999, pp.7-59

ALMEIDA, José Américo de. In: CARMAGO, Aspásia; RAPOSO, Eduardo; FLAKSMAN, Sérgio. O Nordeste e a política. Dialogo com José Américo de Almeida. CPDOC/FGV- Fundação Casa de José Américo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do nordeste e outras artes. 5ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

AMADO, Janaína. Região, Sertão e Nação. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 8, n.15, 1995, p.145-151.

ANDRADE, Manuel Correia de. O Nordeste e a questão regional. São Paulo: Editora Ática S.A, 1988.

BERNARDES, Denis de Mendonça. Notas sobre a formação social do Nordeste. Lua Nova, São Paulo, 71, 2007, pp.41-79.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: DIFEL, 1989.

BRASIL. Boletim de serviços executados nos campos de concentração de flagelados de maio a agosto de 1932. Fortaleza: Diretoria de Saúde Pública, 1932. Arquivo Público do Estado do Ceará.

CHACON, Suely Salgueiro. O sertanejo e o caminho das águas: políticas públicas, modernidade e sustentabilidade no semi-árido. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2007.

CHALHOUB, Sidney. Trabalho, lar e botequim. O cotidiano dos trabalhadores no Rio de Janeiro da Belle Époque. São Paulo: Ed Brasiliense, 1986.

COSTA, Fernando Sánchez. La cultura histórica. Una aproximación diferente a la memoria colectiva. Pasado y Memoria. Revista de Historia Contemporánea, 8, 2009.pp. 267-286.

FERREIRA, Angela Lúcia; DANTAS, George Alexandre Ferreira e SIMONINI,Yuri Cartografia do (De)Sertão do Brasil: notas sobre uma imagem em formação – séculos XIX e XX. Scripta Nova. Revista Electrónica de Geografía y Ciencias Sociales. [En línea]. Barcelona: Universidad de Barcelona, 1 de octubre de 2012, vol. XVI, nº 418 (69). , acessado em 14 de junho de 2019 às 20:18.

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Casa de Oswaldo Cruz. A ciência a caminho da roça: imagens das expedições científicas do Instituto Oswaldo Cruz ao interior do Brasil entre 1911 e 1913. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1992.

GIULIANO, Facundo. “La pregunta que luego estamos si(gui)endo: manifestaciones de una cuestión ética-geopolítica”. En: GIULIANO, Facundo (comp.) ¿Podemos pensar los no-europeos?ética decolonial y geopolítica del conocer. 1aed.-Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Del Signo, 2018, pp.11.42.

GOMES, Angela de Castro. População e sociedade: Em Marcha para o Oeste, o Brasil e a utopia da conquista dos sertões In: Olhando para dentro: 1930-1964.1 ed.Rio de Janeiro: Objetiva, 2013, v.1, pp. 41-90.

GONTIJO, Rebeca. Na trilha de Capistrano de Abreu (1853-1927): índios, história e formação do Brasil. In: OLIVEIRA, João Pacheco (org.). A presença indígena no Nordeste: processos de territorialização, modos de reconhecimento e regimes de memória. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2011, pp.605-629.

GOUVEIA, Regiane Cristina. América Latina enferma: racismo e positivismo no pensamento latino-americano em fins do século XIX e início do XX. Tese de Doutorado em História das Ciências e da Saúde. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz. Casa Oswaldo Cruz, 2016.

LIMA, Ivaldo. “Da representação do poder ao poder da representação: uma perspectiva geográfica.” In: Santos, Milton & Becker, Bertha Koiffmann (orgs.). Território, territórios. Ensaios sobre o ordenamento territorial. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2007, p.109-121.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e a representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: Revan: IUPERJ, UCAM, 1999.

_________.Missões civilizatórias da República e interpretação do Brasil. História, Ciências, Saúde. Manguinhos, Vol V, 1998, pp.163-193

_________. “Apresentação”. In: FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. CASA DE OSWALDO CRUZ. A ciência a caminho da roça: imagens das expedições científicas do Instituto Oswaldo Cruz ao interior do Brasil entre 1911 e 1913 [online]. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 1992, p.XV.

LINHARES. Maria Yedda; SILVA, Francisco Carlos Teixeira da. Terra Prometida. Uma história da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MACIEL, Caio Augusto Amorim. Sertões nordestinos: Cariri Cearense, Sertão do Pajeú e Cariri Paraibano. Atlas das Representações Literárias de Regiões Brasileiras Sertões Brasileiros I, Vol 2. Rio de Janeiro: IBGE, 2000.

MAIA, Janille Campos. Exilados da fome: seca e migração no Ceará oitocentista. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2015.

MELO, Leda Agnes Simões de. O trabalho em tempos de calamidade: a Inspetoria de Obras nos campos de concentração do Ceará (1915 e 1932). Dissertação (mestrado) – Programa de Pós-Graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Ciências Humanas e Sociais, 2015.

MIGNOLO, Walter D. Habitar la frontera. Sentir y pensar la descolonialidad (antología, 1999-2004). Barcelona: CIDOB y UACI, 2015.

______. “A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade.” In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro 2005. pp. 33-49.

MORAES, Kleiton de Sousa. O sertão descoberto aos olhos do progresso: a Inspetoria de Obras Contra as Secas (1909-1918). Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em História Social. Rio de Janeiro: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, 2010.

NEVES, Frederico de Castro. A multidão e a História: Saques e outras ações de massa no Ceará. Tese de doutoramento. Niterói-Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense (UFF), 1998.

________. Curral dos Bárbaros: os Campos de Concentração no Ceará (1915 e 1932). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 15, n. 29, 1995,pp.93-122.

Nordeste. O que nos disse o director dos Serviços Sanitários do Ceará. Correio da Manhã. Rio de Janeiro: Ano XXXII – nº11680, 1 de janeiro de 1933.

PEREIRA, Leonardo A. de Miranda. As barricadas da saúde: vacina e protesto popular no Rio de Janeiro da primeira República. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

POULANTZAS, Nicos. O Estado, o Poder, o Socialismo. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, setembro 2005. pp.107-130.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. 111ªed. Rio de Janeiro: Record, 2009.

RIOS, Kênia Sousa. Campos de concentração do Ceará: isolamento e poder na seca de 1932. Fortaleza; Museu do Ceará / Secretária de Cultura e Desporto do Ceará, 2001.

ROCA, Andrea. Os sertões e o deserto. Imagens da “nacionalização” dos índios do Brasil e na Argentina, na obra de J.M Rugendas (1802-1858). Rio de Janeiro: Ed. Garamond Ltda, 2014.

RODRIGUES, Marly. O Brasil na década de 1920. 3ª Edição. Revisada e ampliada para download. São Paulo: Memorias, 2010.

SÁ, Maria Elisa Noronha de. Civilização e barbárie: a representação da Nação nos textos de Sarmiento e do Visconde do Uruguai. Tese (Doutorado) – Universidade Federal Fluminense. Departamento de História, 2006.

SAID, Edward. Cultura e imperialismo. Tradução: Denise Bottmann. São Paulo: Companhia de Bolso, 2011.

SECRETO, Maria Verónica. Soldados da Borracha. Trabalhadores entre o sertão e a Amazônia no Governo Vargas. SP, Ed.Fundação Perseu Abramo, 2007.

SILVA, Célia Nonato da; CARNEIRO, Mariana Fabiana L. O estranho sertão da Primeira República. XII Simpósio Internacional. Processo Civilizador. Recife, 2009,pp.1-10.

STARLING, Heloisa Maria Murgel. A República e o Sertão. Imaginação literária e republicanismo no Brasil. Revista Crítica de Ciências Sociais, 82, Setembro 2008: pp.133-147.

THIESSE, Anne-Marie. Ficções criadoras: As identidades Nacionais. Anos 90, Porto Alegre, nº15, 2001/2002, p.7-23

TODOROV, Tveztan. Nosotros y los otros. Reflexión sobre la diversidad humana. México: Siglo XXI editores s.a, 1991.

VARGAS, Getúlio Dornelles. Discurso pronunciado na capital do Ceará. Presidência da República, Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação – Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca. Biblioteca da Presidência da República, 1933, p.378-379.

VELLOSO, Mônica Pimenta. “O modernismo e a questão nacional.” In: FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucilia de Almeida Neves (org.). O Brasil Republicano. O tempo do liberalismo excludente. Da proclamação da República à Revolução de 1930. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003, p.353-384.

VIEIRA, Luiz Augusto da Silva. Relatório dos trabalhos realizados no triênio 1931-1933 apresentado ao Ministro José Américo de Almeida pelo Inspetor Luiz Augusto da Silva Vieira. Ministério da Viação e Obras Públicas. Inspetoria. Federal de Obras Contra as Secas Ceará- Fortaleza -1934 (VOL I).




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3139

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3139.g2768

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons