ENTRE SÃO SARUÊ E VALES VIZINHOS DAS NUVENS: UM ESTUDO SOBRE AS FIGURAÇÕES ESPACIAIS DO CARIRI E DE HUMAUACA

Ana Caroline Matias Alencar

Resumo


O objetivo do presente artigo será o de contrastar os diferentes modos de imaginação territorial que os cineastas Geraldo Sarno e Jorge Prelorán teriam acionado em seus documentários para a figuração das regiões do Vale do Cariri e do Vale de Humauaca. Para tanto, examinarei as películas Viva: Cariri! (1969/1970) e Hermógenes Cayo (1969), dirigidas respectivamente por Sarno e Prelorán, buscando por meio delas identificar os recursos cinematográficos de que os dois teriam lançado mão e os diálogos intelectuais de que teriam se valido para a representação daquelas regiões, situadas, a primeira, no Nordeste brasileiro e, a segunda, no Noroeste argentino, a partir das tópicas do isolamento, no caso de Sarno, e da desolação, no caso de Prelorán.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR., Durval Muniz de. A invenção do Nordeste e outras artes. 5 ed. São Paulo: Cortes, 2011.

ALENCAR, Ana Caroline. O novo cinema nostálgico, ou sobre como os documentários dirigidos por Geraldo Sarno revisitaram interpretações de Brasil (1966-1969). 2019. Dissertação (Mestrado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

_________. “O país ignoto de São Saruê lido como terra a ser revelada pelo cinema documentário (1970)”. História e Cultura, Franca, v. 7, n. 2, p. 337-358, 2018. Disponível em: . Último acesso em: 1 fev. de 2020.

BERNUCCI, Leopoldo M. A imitação dos sentidos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

__________. (org.) Discurso, ciência e controvérsia em Euclides da Cunha. São Paulo: Edusp, 2008.

CUNHA, Euclides da. Os sertões: campanha de Canudos. Edição crítica e organização Walnice Nogueira Galvão. Fortuna crítica: vários autores. São Paulo: Ubu Editora/ Edições Sesc São Paulo, 2016. Vol. I: 704 pp.

D`ALMEIDA, Alfredo Dias. A construção do “outro” nos documentários de Geraldo Sarno e Jorge Prelorán. 2008. 257 f. Tese – Programa de Pós-Graduação em Integração da América Latina – PROLAM, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2008.

DERBYSHIRE, Philip. “Imaginar en el aire: reflexiones sobre el cine de Jorge Prelorán”. Estudios Sociales del NOA (Nueva Serie), Revista del Instituto Interdisciplinario Tilcara, Buenos Aires, n. 12, p. 5-17, 2012. Disponível em: http://revistascientificas.filo.uba.ar/index.php/esnoa/article/view/782/760

DIARIO de viaje de Hermógenes Cayo. El Malón de la Paz por las rutas de la Patria. 1º ed. [Libro en línea]. Buenos Aires: Museo de Arte Popular José Hernández. Buenos Aires Ciudad, 2012. 25 p. Disponible en: [Consulta (10/12/2019)]

GALVÃO, Walnice Nogueira. Euclidiana: ensaios sobre Euclides da Cunha. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

GÁRATE, Miriam. Civilização e barbárie n`os sertões: entre Domingo Faustino Sarmiento e Euclides da Cunha. Campinas; São Paulo: Mercado de Letras, Fapesp, 2001.

HERMÓGENES Cayo. Dirección: Jorge Prelorán. Buenos Aires: Fondo Nacional de las Artes; Tucumán: Universidad Nacional de Tucumán, 1969 [producción]. (52 min), 16 mm, color.

LIMA, Luiz Costa. Terra ignota: a construção de Os sertões. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997. 304p.

LIMA, Nísia Trindade. Um sertão chamado Brasil: intelectuais e representação geográfica da identidade nacional. Rio de Janeiro: IUPERJ, UCAM, 1999.

LOIS, Carla. “El mapa como metáfora o la espacialización del pensamiento”. Terra Brasilis (Nova Série), Revista Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica. São Paulo, nº 6, p. 1-26, 2015. Disponível em:

Último acesso em: 18 de nov. de 2019.

__________. “Quinta pars o terrae incognitae? La cuestión de la verosimilitud en la representación cartográfica de lo desconocido”. Terra Brasilis (Nova Série), Revista Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica. São Paulo, nº 4, p. 1-19, 2015. Disponível em: Último acesso em: 10 de dez. de 2019.

PRELORÁN, Jorge. El cine etnobiográfico. Buenos Aires: Catálogos; Universidad del Cine, 2006. Disponível em: Acesso em: 24 jul. 2019.

PRIETO, Adolfo. Los viajeros ingleses y la emergencia de la literatura argentina, 1820-1850. Buenos Aires: Editorial Sudamericana, 1996.

RODRÍGUEZ, Fermín. Un desierto para la nación: la escritura del vacío. [EBook] Buenos Aires: Eterna Cadencia Editora, 2012.

SÁ, Maria Elisa Noronha de. “O sertão: território da imaginação social do Brasil”. In: BOTELHO, André; STARLING, Heloísa (Orgs.). República e democracia: impasses do Brasil contemporâneo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017, p. 299-316.

SARMIENTO, Domingo Faustino. Facundo, o civilización y barbarie. Director: Ricardo Rojas. [Ebook] Buenos Aires: Librería La Facultad, 1921. (Biblioteca Argentina, 12)

SARNO, Geraldo. Cadernos do sertão. Salvador: Núcleo de Cinema e Audiovisual, 2006.

SARNO, Geraldo. Geraldo Sarno (depoimento, 2015). Rio de Janeiro, CPDOC/FGV,

36 pp.

SÜSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui: o narrador, a viagem. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

STARLING, Heloisa. “A República e o sertão. Imaginação literária e republicanismo no Brasil”. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 82, 2008, 133-147.

VIVA: Cariri! Direção: Geraldo Sarno. São Paulo: Thomaz Farkas, 1970 [produção]. (36 min), 16 mm, color, p&b. Disponível em: https://www.thomazfarkas.com/filmes/viva-cariri/

XAVIER, Ismail. Sertão mar: Glauber Rocha e a estética da fome. São Paulo: Cosac Naify, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3136

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3136.g2765

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons