O sertão de Minas irrigado: modernização agrícola e mundo dos trabalhadores

Auricharme Cardoso de Moura

Resumo


Na segunda metade do século XX, o norte de Minas Gerais era apresentado pelo discurso hegemônico como “sertão”, o que era visto como sinônimo de atraso, inferioridade e isolamento. Seus habitantes, os sertanejos, foram representados como ignorantes, subdesenvolvidos, miseráveis e arcaicos. Para superar este panorama, a elite defendia que a criação de perímetros irrigados era a mola propulsora do progresso, do desenvolvimento e da modernidade. Os diversos documentos elencados (narrativas orais, jornais, relatórios produzidos por órgãos públicos, decretos judiciais e endereços eletrônicos) possibilitaram compreender memórias forjadas dialeticamente dentro do movimento histórico envolvendo trabalhadores, agências governamentais e empresários rurais.


Texto completo:

PDF

Referências


A classe rural sindicalizada. O Gorutuba. Janaúba, 13 ag. 1967.

ALMEIDA, Paulo Roberto de, KHOURY, Yara Aun. História Oral e Memória: Entrevista com Alessandro Portelli. In: Revista História e Perspectivas, nº 25/26. Uberlândia/MG. Universidade Federal de Uberlândia, 2002.

AMADO, Janaina. Região, nação, sertão. In: Revista Estudos históricos, v.8, nº 15, Rio de Janeiro, 1995.

BANCO MUNDIAL. Impactos e externalidades sociais da irrigação no semiárido brasileiro. Brasília, 2004.

Barragem Bico da Pedra. O Gorutuba. Janaúba, 31 mar. 1968.

Barragem do Bico da Pedra. O Gorutuba. Janaúba, 29 set. 1968.

Bico da Pedra. O Gorutuba. Janaúba, 14 mar. 1971.

Bico da Pedra, um sonho realizado. Revista Montes Claros em foco. Montes Claros, abr. 1979

CASTRO, Ana Célia et al. Evolução recente e situação atual da agricultura brasileira: síntese das transformações. Brasília: BINAGRI, 1979.

CODEVASF. Projeto de Irrigação do Vale do Gorutuba. Montes Claros: Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco, 1978.

______Informações gerais sobre o perímetro de irrigação do Vale do Gorutuba. Pessoal, desapropriações, estágio das obras da barragem e setor de irrigação. Montes Claros, MG: Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco. 1977.

______1ª Diretoria Regional (DR). 13 anos: 1977-1990. Integração ao desenvolvimento do Vale do São Francisco. Gestão Roberto Mauro Amaral. Montes Claros, MG: Companhia de Desenvolvimento do Vale do São Francisco. 1990.

Codevasf vai aplicar 300 milhões na região em 77. Diário de Montes Claros. Montes Claros, 02 mar. 1977.

DAYRELL, Carlos Alberto. Meio Ambiente e Desenvolvimento no Norte de Minas. (Mimeografado). Montes Claros: Grupo de Estudos Ambientais. 33 Fls. 1989.

Desapropriação na margem esquerda do Gorutuba.O Gorutuba. Janaúba, 26 abr. 1981.

DIAS, Lucimar Sales; LEITE, Marcos Esdras; ROCHA, André Medeiros. Análise da ocupação no entorno da Barragem Bico da Pedra, no município de Janaúba/MG. Revista Cadernos de Geografia. Belo Horizonte, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, v. 25, n. 44, p.221-236, 2015.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do Cárcere, v.2. Ed. e Trad. Carlos Nelson Coutinho; co-ed., Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GKHOURY, Yara Aun. Do mundo do trabalho ao mundo dos trabalhadores. In: Mundo dos trabalhadores, lutas e projetos: temas e perspectivas de investigação na historiografia contemporânea. Cascavel, Paraná: Edunioeste, 2009.

LESSA, Simone Narciso. Trem de Ferro: do cosmopolitismo ao sertão. Dissertação (Mestrado em História). 252 Fls. São Paulo: Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP, 1993.

MINAS PEDE A SUDENE PARA COMBATER A SÊCA. O Gorutuba. Janaúba, 07 mar. 1971.

MOURA, Auricharme Cardoso de. Política Desenvolvimentista e Mundo dos Trabalhadores: hegemonia e contra-hegemonia às margens do rio Gorutuba-MG (1950-2016). 354 fls. Tese (Doutorado em História). Uberlândia: Universidade Federal de Uberlândia, 2019.

OLIVA, Osmar Pereira (Org.). Esse povo do deserto: os sertões de Minas Gerais nos relatos de viagem de Auguste de Saint-Hilaire, George Gardner, Richard Burton e Maurice Gaspar. In: Os nortes e os sertões literários do Brasil. Montes Claros: Unimontes, 2009.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica a razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

OLIVEIRA, Marcos Fábio Martins de. O processo de formação e desenvolvimento de Montes Claros e da Área Mineira da SUDENE. In: OLIVEIRA, Marcos Fábio Martins de, RODRIGUES, Luciene (Orgs). Formação social e econômica do Norte de Minas. Montes Claros: UNIMONTES, 2000.

PEREIRA, Laurindo Mekie. Em nome da região, a serviço do capital: o regionalismo político norte-mineiro. 242 Fls. Tese (Doutorado em história econômica). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2007.

PONTES, Osvaldo José. O trabalho do DNOCS e o Programa de Irrigação do Nordeste Semi-árido. Brasília: Ministério do Interior, 1978.

PORTELLI, Alessandro. A filosofia e os fatos: narração, interpretação e significado nas memórias e nas fontes orais. Revista Tempo, Niterói, RJ, v. 1, n.2, p.59-72, 1996.

ROSA, João Guimarães. Grande Sertão: Veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

RIBEIRO, Gustavo Lins. Poder, redes e ideologia no campo do desenvolvimento. Novos estudos. - CEBRAP, São Paulo, n. 80, mar. 2008, p. 110. Disponível em: . Acesso em: 12 Julho2017.

Sêca leva pânico ao norte-mineiro. O Gorutuba. Janaúba, 28 fev. 1971.

Sindicato Rural de Janaúba. O Gorutuba. Janaúba 9/11 mar. 1979.

SUDENE e Janaúba. O Gorutuba. Janaúba, 01 out. 1967.

Entrevistas

Juvência Fernandes de Souza

Maria Aparecida Neves Souza

Paulo José de Souza




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3133

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3133.g2748

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons