TERRITÓRIO, PODERES TUTELARES E AGÊNCIAS INDÍGENAS: ANÁLISES PRELIMINARES SOBRE TRÂNSITOS, TROCAS E R-EXISTÊNCIAS NA FRONTEIRA BRASIL-GUIANA FRANCESA (1930-1945)

Benedito Emílio da Silva Ribeiro

Resumo


O artigo analisa as dinâmicas indígenas na região de fronteira entre Brasil e Guiana Francesa, no contexto da Era Vargas (1930-1945). Visa entender suas configurações territoriais e agenciamentos em face às políticas estatais de ocupação dos sertões fronteiriços, no norte amazônico. Utilizando as fontes do Serviço de Proteção aos Índios, dimensiona as vivências e estratégias adotadas pelos povos indígenas da região para reinterpretar, e ressignificar, as ações tutelares que visavam disciplinarizar e dominar seus corpos, mentes e culturas. Isso engendrou outras formas de existência grupal entre os indígenas, que atendiam as pressões da sociedade envolvente sem ocasionar, no entanto, a perda de suas complexidades sociopolíticas e cosmológicas. Logo, a pesquisa revela, ainda de forma preliminar, o dinamismo desse quadro de relações interétnicas na Guiana indígena.

Palavras-chave: Amazônia; fronteiras; territórios; relações interétnicas; r-existências indígenas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBERT, Bruce; RAMOS, Alcida Rita (Orgs.). Pacificando o branco: cosmologias do contato no norte amazônico. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

ANDRADE, Ugo Maia. Na fronteira: mobilidades xamânicas entre Brasil e Guiana Francesa. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, v. 24, n. 51, p. 203-227, maio/ago. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ha/v24n51/1806-9983-ha-24-51-203.pdf. Acesso em: 29 ago. 2018.

BACELLAR, Carlos. Fontes documentais: uso e mau uso dos arquivos. In: PINSKY, Carla Bassanezi (Org.). Fontes históricas. 3. ed., 2. reimp. São Paulo: Contexto, 2015, p. 23-79.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. O índio e o mundo dos brancos. Campinas: Editora Unicamp, 1996.

CARVALHO, José Murilo de. Vargas e os militares. In: PANDOLFI, Dulce (Org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 1999, p. 341-345.

CLASTRES, Pierre. A sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. Trad. Theo Santiago. São Paulo: Ubu Editora, 2017.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Xamanismo e tradução: pontos de vista sobre a floresta amazônica. In: Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo: Ubu Editora, 2017, p. 102-115.

FREITAS, Edinaldo Bezerra de. Fala de índio, História do Brasil: o desafio da Etno-História indígena. História Oral, v. 7, p. 181-197, 2004. Disponível em: https://revista.historiaoral.org.br/index.php?journal=rho&page=article&op=view&path%5B%5D=110&path%5B%5D=106. Acesso em: 23 jul. 2018.

GALLOIS, Dominique Tilkin (Org.). Redes de relações nas Guianas. São Paulo: Associação Editorial Humanitas; Fapesp, 2005.

GALLOIS, Dominique Tilkin; GRUPIONI, Denise Fajardo. Povos Indígenas no Amapá e Norte do Pará: quem são, onde estão, quantos são, como vivem e o que pensam. São Paulo: Instituto de Pesquisa e Formação em Educação Indígena, Núcleo de História Indígena e do Indigenismo da Universidade de São Paulo, 2003.

GARFIELD, Seth. As raízes de uma planta que hoje é o Brasil: os índios e o Estado-Nação na era Vargas. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 20, n. 39, p. 13-46, 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbh/v20n39/2980.pdf. Acesso em: 15 dez. 2017.

HOSHI, Simoni Shizue da Costa. Faixa de fronteira e suas concepções. In: BAHIA, Mirleide Chaar; NASCIMENTO, Durbens Martins (Orgs.). Estado, sistemas produtivos e populações tradicionais. Belém: NAEA, 2014, p. 265-284.

LENHARO, Alcir. Sacralização da política. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 1986.

LIMA, Antonio Carlos de Sousa. Um grande cerco de paz: poder tutelar, indianidade e formação do Estado no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

LITTLE, Paul E. Territórios sociais e povos tradicionais no Brasil: por uma antropologia da territorialidade. Série Antropologia 322. Brasília: DAN/UnB, 2002. 33p. Disponível em: http://dan.unb.br/images/doc/Serie322empdf.pdf. Acesso em: 8 mai. 2017.

LÓPEZ GARCÉS, Claudia Leonor. Pueblos indígenas, relaciones interétnicas y culturas de contacto en la frontera Brasil-Guyana Francesa. In: ROCHA, Leandro Mendes; BAINES, Stephen Grant (Coords.). Fronteiras e espaços interculturais: transnacionalidade, etnicidade e identidade em regiões de fronteira. Goiânia: Ed. UCG, 2008, p. 79-105.

LÓPEZ GARCÉS, Claudia Leonor. Tikunas brasileiros, colombianos e peruanos: etnicidade e na nacionalidade na região das fronteiras do Alto Amazonas/Solimões. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2014.

MELATTI, Julio Cezar. E1 - Área Guianesa. In: Áreas Etnográficas da América Indígena. Apostila destinada a curso de extensão; Texto em permanente processo de acréscimo e reformulação. Brasília: UnB, 2019. 44p. Disponível em: http://www.juliomelatti.pro.br/areas/e1guianesa.pdf. Acesso em: 05 jan. 2020.

MONTEIRO, Maurílio de Abreu; COELHO, Maria Célia Nunes. As políticas federais e reconfigurações espaciais na Amazônia. Novos Cadernos NAEA, Belém, v. 7, n.1, p. 91-122, jun. 2004. Disponível em: http://www.repositorio.ufpa.br/jspui/bitstream/2011/3162/1/Artigo_PoliticasFederaisReconfiguracoes.pdf. Acesso em: 18 jan. 2018.

NIMUENDAJÚ, Curt. Mapa etno-histórico do Brasil e regiões adjacentes. Rio de Janeiro: Fundação IBGE/Fundação Nacional Pró-Memória, 1982.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi. A conquista do espaço: sertão e fronteira no pensamento brasileiro. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 5 (suplemento), p. 195-215, jul. 1998. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/6648/LuciaLippi_MANGUINHOSv5s0.pdf. Acesso em: 13 nov. 2019.

PATEO, Rogério Duarte do. Guerra e devoração. In: GALLOIS, Dominique Tilkin (Org.). Redes de relações nas Guianas. São Paulo: Associação Editorial Humanitas; Fapesp, 2005, p. 113-150.

PERRONE-MOISÉS, Beatriz. Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In: CUNHA, Manuela Carneiro da (Org.). História dos índios no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras; Secretaria Municipal de Cultura; FAPESP, 1992, p. 115-132.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A Reinvenção dos Territórios: a experiência latino-americana e caribenha. In: CECEÑA, Ana Ester (Org.). Los desafíos de las emancipaciones en un contexto militarizado. Buenos Aires: CLACSO, 2006, p. 151-197.

RODRIGUES, Fernando da Silva. História das fronteiras norte do Brasil e os debates sobre a internacionalização da Amazônia. In: SOUZA, Sueny Diana Oliveira de; FARIAS, William Gaia (Orgs.). Militares, poder e sociedade na Amazônia. Belém: Açaí, 2016, p. 241-269.

SECRETO, Maria Verônica. Soldados da Borracha: trabalhadores entre o sertão e a Amazônia no governo Vargas. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Correspondência do Oiapoque com a 2ª I.R., 02 de junho de 1944. Microfilme 94, fotograma 1124-1125.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Correspondência do Oiapoque com a 2ª I.R., 13 de junho de 1944. Microfilme 94, fotograma 1130-1133.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Diário do Serviço de Inspeção da 2ª Turma ao Vale do Rio Uaçá, 03 de dezembro de 1936. Microfilme 86, fotograma 924-938.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Memorando n.º 10 [Oiapoque], 27 de março de 1943. Microfilme 91, fotograma 318-321.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Memorando que apresenta sugestões para a reorganização da Inspetoria do Pará, 27 de novembro de 1939. Microfilme 86, fotograma 797-799.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Registro Geral Material I.R. 2, 1949-1950. Microfilme 300, fotograma 100-103.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Relatório da Ajudância Norte em Clevelândia, 12 de novembro de 1941. Microfilme 86, fotograma 1970-1976.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Relatório de ocorrências, 28 de agosto de 1939. Microfilme 86, fotograma 894-899.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Relatório referente aos serviços feitos durante o ano, 31 de dezembro de 1943. Microfilme 94, fotograma 1102-1113.

SERVIÇO DE PROTEÇÃO AOS ÍNDIOS. Situação dos postos indígenas no Pará, 25 de abril de 1939. Microfilme 86, fotograma 694-701.

TRITSCH, Isabelle. Dynamiques territoriales et revendications identitaires des Amérindiens wayãpi et teko de la commune de Camopi (Guyane française). 2013. Thèse (Doctorat de Géographie). Faculté des Lettres et Sciences humaines, Université des Antilles et de la Guyane, Paris, 2013.

VALLOT, Hugues Dominique. A Colônia Esquecida e a República Assimilacionista: representações, políticas indigenistas e reivindicações indígenas na Guiana Francesa. 2017. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Departamento de Antropologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

VELTHEN, Lucia Hussak van. A Pele de Tuluperê: uma etnografia dos trançados Wayana. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1998.

VIDAL, Lux. A Cobra Grande: uma introdução à cosmologia dos Povos Indígenas do Uaçá e Baixo Oiapoque – Amapá. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2007.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Ubu Editora, n-1 edições, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3130

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3130.g2747

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons