DESBRAVANDO OS SERTÕES CAPIXABAS: A COLONIZAÇÃO DO VALE DO ITAPEMIRIM

LARYSSA DA SILVA MACHADO

Resumo


Resumo

O século XIX capixaba é considerado um divisor de águas para a história do Espírito Santo, uma vez que houve a colonização de terras ainda não desbravadas. Entre essas terras estava o Vale do Rio Itapemirim. Mesmo estando entre as primeiras sesmarias distribuídas por Vasco Fernandes Coutinho, em 1539 e contar com ruínas de         construções desse período, só teve sua colonização consolidada no fim do Setecentos, após os fugitivos das minas de Castelo chegarem a região. A partir de então, a migração de fazendeiros mineiros, fluminenses, paulistas e baianos, junto com seu maquinário e cativos, ocorrida no início do século XIX, alavancou as. Lavouras já existentes na região. durante o Oitocentos, Itapemirim abasteceu a economia do Espírito Santo com suas lavouras de açúcar.

Palavras-chave: sertões, Itapemirim, Espírito Santo, colonização.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMADA, Vilma. Paraíso Ferreira. Escravismo e Transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

APEES. Lista Nominal da População da Vila de Itapemirim, 1833. Fundo Governadoria. Livro 54.

BENTIVOGLIO, Julio. Os índios Botocudos no Espírito Santo e o estudo de Paul Ehrenreich. In: EHRENREICH, Paul. Índios Botocudos do Espírito Santo no século XIX. Vitória-ES: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2014, p. 19-38.

BITTENCOURT, Gabriel. A Formação Econômica do Espírito Santo: O Roteiro da Industrialização. Do Engenho às Grandes Indústrias (1835-1980). Rio de Janeiro/Vitória: Livraria Editora Cátedra em convênio com Departamento Estadual de Cultura do Estado do Espírito Santo, 1987.

BITTENCOURT, Gabriel. História Geral e Econômica do Espírito Santo: Do engenho colonial ao contexto fabril – portuário. Vitória: Multiplicidade, 2006.

BRAGA, Newton. Histórias de Cachoeiro. Vitória: Fundação Ceciliano Abel de Almeida/ UFES/ Secretaria da Educação e Cultura, 1996.

BRASIL, Diretoria Geral de Estatística. Relatórios e Trabalhos Estatísticos apresentados ao Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império em 31 de dezembro de 1876. Rio de Janeiro, Typ. Hyppolito José Pinto, 1877. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv49656.pdf.

CAMPOS, Adriana Pereira. Escravidão, reprodução endógena e creolização: o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, Rio de Janeiro, v. 12, n. 23, 2011.

CARVALHO, Enaile Flauzina. Política e Economia Mercantil nas terras do Espírito Santo (1790-1821). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2008.

COUTINHO, José Caetano da Silva. O Espírito Santo em princípios do século XIX: apontamentos feitos pelo bispo do Rio de Janeiro quando de sua visita à capitania do Espírito Santo nos anos de 1812 e 1819. Vitória: Estação Capixaba e Cultural-ES, 2002.

DAEMON, Basílio Carvalho. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. Vitória: Secretaria de Estado da Cultura/ Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2010.

EHRENREICH, Paul. Índios Botocudos do Espírito Santo no século XIX. Vitória-ES: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2014.

ESPÍRITO SANTO (Estado). Presidentes de Província (1833-1888). Relatórios de Presidentes da Província do Espírito Santo. Disponível em http://www-apps.crl.edu/brazil/provincial/esp%C3%ADrito_santo.

MACIEL, Cleber. Negros no Espírito Santo. Vitória-ES: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2016.

MARINS, Antônio. Itapemirim. In.: Minha Terra e Meu Município. Rio de Janeiro: Jacintho Ribeiro dos Santos, 1920.

MARQUES, Cezar Augusto. Dicionário Histórico, Geográfico E Estatístico da Província Do Espírito Santo. Vitória: Arquivo Público do Espírito Santo, 2003.

MOREIRA, Vânia Maria Losada. Espírito Santo indígena: conquista, trabalho, territorialidade e autogoverno dos índios, 1798-1860. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2017.

MORENO, Luciano R. Itapemirim: como tudo começou. Serra-ES: Formar, 2016.

NASCIMENTO, Bruno César. Viagens à Capitania do Espírito Santo: 200 anos das expedições científicas de Maximiliano de Wied-Neuwied e Auguste SaintHilaire. Vitória: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2018.

OLIVEIRA, José Teixeira. Historia do Estado do Espírito Santo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008.

OLIVEIRA, Osvaldo Martins de. Quilombos: Territórios e Patrimônio Cultural. In.: MACIEL, Cleber. Negros no Espírito Santo. Vitória-ES: Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2016.

REVEL, Jacques. Microanálise e construção social. In. REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

REVEL, Jacques. Micro-história, macro-história: o que as variações de escala ajudam a pensar em um mundo globalizado. Revista Brasileira de Educação, v. 15 n. 45 set./dez. 2010. Disponível em . Acessl em 26 de janeiro de 2020.

ROCHA, Haroldo Corrêa.; COSSETTI, Maria da Penha. Dinâmica cafeeira e constituição de indústrias no Espírito Santo, 1850/1930. Vitória: Departamento de Economia, NEP/UFES, 1983.

ROCHA, Levy. Crônicas de Cachoeiro. Rio de Janeiro: Editora Livros S. A., 1966.

ROCHA, Levy. Viajantes Estrangeiros no Espírito Santo. Brasília: EBRASA, 1971.

SALETTO, Nara. Transição para o Trabalho Livre e Pequena Propriedade no Espírito Santo (1888-1930). Vitória: EDUFES, 1996.

SANTOS, Estilaque F. O Território do Espírito Santo no Fim da Era Colonial. In: BITTENCOURT, Gabriel. (org.). Espírito Santo: um painel da nossa história. Vitória: Secult, 2002. p. 153-187.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3129

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3129.g2745

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons