EUCLIDIANISMO, AGENDA CÍVICO-LETRADA E A CATEGORIA DE SERTÃO EM TRÂNSITO: O CASO DO CCEC (MEADOS DO SÉCULO XX)

Caroline Aparecida Guebert

Resumo


Este artigo se propõe a pensar historicamente uma agenda cívico-letrada que existiu nos anos 1940 e 1950, vinculada ao fenômeno do Euclidianismo, na qual o sertão se tornou um foro de brasilidade, implicado em usos e disputas simbólicas. A partir da produção do Centro Cultural Euclides da Cunha (CCEC), instituição radicada no Paraná, pode-se vislumbrar uma definição de “Brasil profundo” que circulou e que era alimentada por certas práticas celebrativas dos “euclidianos”, comuns em circuitos sociais mais amplos das elites. Dialogando com as proposições sociológicas de Bernard Lahire, busca-se, a partir da categoria tensionada e celebrada de sertão, mapear afinidades dos repertórios nacionalistas com tais práticas de escrita.

Texto completo:

PDF

Referências


ALONSO, Angela. Ideias em movimento: a geração 1870 na crise do Brasil império. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

ÂNGELIS, Meira de. Que pensa o Sr. Euclides da Cunha?. Tapejara, n. 8, p. 13, 1952.

ASSMANN, Aleida. Espaços da recordação: formas e transformações da memória cultural. Campinas: Editora Unicamp, 2011.

BERNUCCI, Leopoldo M (org). Discurso, Ciência e Controvérsia em Euclides da Cunha. São Paulo: Edusp, 2008.

BOLLE, Willi. O Sertão como forma de pensamento. Scripta, Belo Horizonte, v. 2, n. 3, p. 259-271, 1998.

CAMPOS, Maria José. Cassiano Ricardo e o mito da democracia racial: uma versão modernista em movimento. Revista USP, n.68, p. 140-155, 2006.

CPDOC. Verde-Amarelos. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2018.

COSTA, Angyone. Devemos reajustar nossa cultura na direção do índio. Tapejara, n. 2, p.12, 1950.

FERREIRA, Antonio Celso. A epopéia bandeirante: letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FERRETTI, Danilo Zioni. Euclides da Cunha historiador: a reinvenção do bandeirante em Os Sertões. Revista de História, n. 160, p.261-285, 2009.

FILHO, Fadel David Antonio. Sobre a palavra sertão: origens, significados e usos no Brasil (do ponto de vista da ciência geográfica). Ciência geográfica, v. 15, n. 15, p. 84-87, 2011.

FILHO, Luiz Vianna. O Negro e o Sertão. Tapejara, n. 5, p. 10, 1951.

GUEBERT, Caroline Aparecida. Da intelectualidade princesina, o coração do Brasil: trajetória, sociabilidades cívico-letradas e a plasticidade do sertão imaginado no círculo euclidiano (Paraná, meados do século XX). 2018. Dissertação (Mestrado em História), Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2018.

GOMES, A. C.; HANSEN, P. S (Orgs.). Introdução. In:____.Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

MACEDO, Tairone Zuliani de. SEMINÁRIO DE PESQUISA DA PÓS-GRADUAÇÃO EM HISTÓRIA PUC, 2013, Goiás. As origens e evoluções etimológicas dos termos sertão e sertanejo. Anais do VI Seminário de Pesquisa da Pós-Graduação em História PUC. Goiás: UFG, 2013.

MURARI, Luciana. Tudo o mais é paisagem: representações da natureza na cultura brasileira - Brasil (1870-1922). 2002. Tese (Doutorado em História), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

NEDEL, Letícia Borges. Um Passado Novo para uma História em Crise: Regionalismo e Folcloristas no Rio Grande do Sul (1948-1965). 2005. Tese (Doutorado em História), Universidade de Brasília, Brasília, 2005.

NOGUEIRA, Nathália Sanglard de Almeida. Um peregrino entre selvas e desertos: as viagens ao Brasil Ignoto e a escrita do outro Euclides da Cunha. 2017. Tese (Doutorado em História), Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2017.

LAHIRE, Bernard. A indissociabilidade entre linguagem e sociedade. In: VISSER, R.; JUNQUEIRA, L. (org). Dossiê Bernard Lahire. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

LIMA, Eli Napoleão de. Euclides da Cunha e o Estado Novo. In: ALMEIDA; ZILLY; LIMA (orgs). De Sertões, desertos e espaços incivilizados. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2001.

OLIVEIRA, Ricardo de. Ficção, ciência, história e a invenção da Brasilidade Sertaneja. Ipotesi - revista de estudos literários, Juiz de Fora, v. 4, n. 1, p. 37 a 53, 2000.

OLIVEIRA, Thiago Gomes de. Euclides da Cunha e o Sertão nordestino. Tapejara, n.8, p. 12, 1952.

PIERSON, Donald. Carta para Faris Michaele. São Paulo, 25 ago. 1952.

SANTOS, Venício da Rocha. Tapejara e o Euclidianismo. A Divulgação - Edição Especial do Centenário do Paraná, p. 101, Curitiba, 1953.

SETTON, Maria da Graça Jacinto. Rotary Club: habitus, estilo de vida e sociabilidade. São Paulo: Annablume, 2004.

SOUTO, Arary. Puraukeçaua Maranguaua Opanaíma Tenhên. Tapejara, Ponta Grossa, n. 10, p. 1, 1953.

TAPEJARA. Tapejara, Ponta Grossa, n. 1, 1950, p.1.

TURIN, Rodrigo. O selvagem entre dois tempos: a escrita etnográfica de Couto de Magalhães. Varia Historia, Belo Horizonte, v. 28, n. 48, p.781-803, 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3112

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3112.g2769

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons