CELESTINO ALVES: UM POETA SERTANEJO E O DILEMA DAS SECAS

Fabiana Alves Dantas

Resumo


Muitas noções a respeito do que é “sertão” são propagadas por diversas produções culturais. O artigo analisa os poemas do livro O Nordeste e as Secas, do norte-rio-grandense Celestino Alves, observando especialmente a ênfase colocada na relação entre o sertão nordestino e o fenômeno das secas. Destacam-se como elementos presentes nos poemas: o sertão como um lugar de sofrimento causado pela seca; a noção do sertanejo como um homem forte, moldado pela aspereza do espaço no qual está inserido; o sertão como um mundo essencialmente rural, além de ser um espaço marcado pela dualidade (um dia tragédia, no outro felicidade), do qual se precisa partir para sobreviver e, em razão disso, espaço da saudade. Vê-se, portanto, um alinhamento com muitas noções propagadas por uma forma de representação que se tornou hegemônica no imaginário brasileiro acerca desse recorte espacial.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. A invenção do nordeste e outras artes. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ALBUQUERQUE JÚNIOR, Durval Muniz de. Nordestino: invenção do "falo" - uma história do gênero masculino (1920-1940). 2. ed. São Paulo: Intermeios, 2013.

ALVES, Celestino. O Nordeste e as Secas. Brasília: Gráfica do Senado, 1983.

ALVES, Celestino. Retoques da História de Currais Novos. Natal: Fundação José Augusto; Prefeitura Municipal de Currais Novos, 1985.

ALVES, Celestino. Vaqueiros e Vaquejadas. Natal: Editora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 1986.

ALVES, Celestino. Matutos e Tropeiros. Brasília: Gráfica do Senado, 1989.

ARAÚJO, Ernane de Jesus Pacheco; SANTOS, Silvana Maria Pantoja dos. As representações do sertão em Inspiração Nordestina de Patativa do Assaré. In: SOUSA, Ivan Vale de (Org.). Laços e Desenlaces na Literatura. Ponta Grossa: Atena Editora, 2019. p. 66-76.

BARRETO, Pedro Henrique. História – Seca, fenômeno secular na vida dos nordestinos. Desafios do Desenvolvimento, Brasília, v. 6, n. 48, mar. 2009. Disponível em: http://desafios.ipea.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1214:reportagens-materias&Itemid=39. Acesso em: 01 nov. 2019.

CAMPOS, José Nilson B. Secas e políticas públicas no semiárido: ideias, pensadores e períodos. Estudos Avançados, São Paulo, v. 28, n. 82, dez. 2014. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/eav/article/view/88919. Acesso em: 01 nov. 2019.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difusão Editora, 1988.

CHARTIER, Roger. Defesa e ilustração da noção de representação. Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 24, p. 15-29, jul./dez. 2011. Disponível em: http://www.ufrgs.br/gthistoriaculturalrs/nocaoderepresentacao.pdf. Acesso em: 07 maio 2020.

CUNHA, Euclides da. Os Sertões. Rio de Janeiro: Record, 2006.

FARIAS, Daniela Santos de. Sertão, Seca, Sertanejo. 2019. 440 f. Tese (Doutorado) –

Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, São Paulo, 2019. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/182395. Acesso em: 28 dez. 2019.

FLORES, Conceição. Dicionário de Escritores Norte-rio-grandenses. Disponível em: http://escritoresdorn.com.br/autor.php?autor=Celestino%20Alves. Acesso em: 14 out. 2019.

MELO, Adriana Ferreira de. Sertões do mundo, uma epistemologia. 2011. 117 f. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/MPBB-8PJKS3. Acesso em: 20 jan. 2020.

MONTEIRO, Denise Mattos. Introdução à história do Rio Grande do Norte. 3. ed. Natal: Edufrn, 2007.

NEVES, Erivaldo Fagundes. Sertão como Recorte Espacial e como Imaginário Cultural. Politeia: História e Sociedade, Vitória da Conquista, v. 3, n. 1, p.153-162, mai. 2003. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/politeia/article/view/3940. Acesso em: 28 dez. 2019.

NEVES, Erivaldo Fagundes. O sertão da formação socioeconômica brasileira. Menme: Revista de Humanidades. Caicó, v. 19, n. 42, p. 11-20, jan./jul. 2018. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/mneme/article/view/18468/11933. Acesso em: 28 dez. 2019.

POTIER, Robson William. O sertão virou verso, o verso virou sertão: sertão e sertanejos representados e ressignificados pela literatura de cordel (1900-1940). 2012. 175 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em História, Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufrn.br/jspui/bitstream/123456789/16968/1/RobsonWP_DISSERT.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

SANTOS, Rosimar dos. A representação do Nordeste na poesia repentista. 2012. 63 f. Monografia (Especialização) - Curso de Especialização em História Cultural, Centro de Humanidades, Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira, 2012. Disponível em: http://hugoribeiro.com.br/biblioteca-digital/Santos-Dissertacao-Apresentacao_Nordeste.pdf. Acesso em: 28 dez. 2019.

SCHUSTER, Ana Noredi; CARVALHO, Beatriz; HADAS, Mônica Lopes. Textos literários como fonte histórica: interpretação do poema "A Rosa de Hiroxima". Maiêutica, Indaial, v. 5, n. 1, p.89-94, jan./jun. 2017. Disponível em: https://publicacao.uniasselvi.com.br/index.php/HID_EaD/article/view/1776/872. Acesso em: 28 dez. 2019.

VICENTINI, Albertina. Regionalismo literário e sentidos do sertão. Sociedade e Cultura, Goiânia, v. 10, n. 2, p. 187-196. jul./dez. 2007. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/3140. Acesso em: 28 dez. 2019.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3104

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3104.g2763

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons