SUJEITOS SERTANEJOS NA AMAZÔNIA COLONIAL (SÉCULOS XVII E XVIII)

André José Santos Pompeu, Wania Alexandrino Viana

Resumo


Na Amazônia do século XVII e XVIII, a ideia de sertão configura-se como um ambiente complexo, multifacetado e intrínseco a ocupação e expansão portuguesa na região. Neste texto, busca-se compreender o sertão amazônico colonial, para além da ideia de lugar em si, e colocar em evidência as práticas e interações dos indivíduos que andavam por esses espaços. Trata-se de a partir dos aspectos militares e econômicos, caracterizar o sertão como um modo de vida engendrado por sujeitos no seu interior, chamados pelos documentos de “sertanejos”.

Texto completo:

PDF

Referências


“Parecer que deu Padre Antônio Vieira sobre entregar a campanha de Pernambuco aos holandeses em 21 de outubro de 1648”. Arquivo Nacional da Torre do Tombo, MSLLIV/0030, pp. 38v-39.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Territórios e territorialidades específicas na Amazônia: entre a ‘proteção’ e o ‘protecionismo’. Caderno CRH, Salvador, v. 25, n. 64, 2012. pp. 63-71.

Annaes da Bibliotheca e Archivo Público do Pará (ABAPP), Tomo IV (1905).

ARENZ, Karl Heinz; MATOS, Frederik Luizi Andrade de. ‘Informação do Estado do Maranhão’: uma relação sobre a Amazônia portuguesa no fim do século XVII. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. a. 175, n. 463, abr/jun. 2014. pp. 349-380.

Arquivo Histórico Ultramarino, Avulsos do Maranhão: Caixa 25, D.2605.

Arquivo Histórico Ultramarino, Avulsos do Pará: Caixas 3, 4, 5, 9, 10, 11, 14, 15, 20, 22, 24, 25, 43, 51 e 58.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Chancelaria Régia- livro:60; pág. 64

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Registo Geral de Mercês, Mercês de D. João V, liv. 12, f.118

Arquivo Público do Estado do Pará, Fundo Secretária da Capitania, Códices: 032 e 046.

BARATA, Manoel. Formação histórica do Pará: obras reunidas. Belém: EdUFPA, 1973.

BEBIANO, Rui. A guerra: o seu imaginário e sua deontologia. In: BARATA, Manuel Themudo e TEIXEIRA, Nuno Severiano (org). Nova História Militar de Portugal. Lisboa: Círculo de leitores, 2003.

BEBIANO, Rui. A Pena de Marte: escrita da guerra em Portugal e na Europa (séculos XVI e XVIII). Coimbra: Minerva Coimbra, 2000.

BONILLO, Pablo Ibánez. Desmontando a Amaro: una relectura de la rebelión tupinambá (1617-1621). Topoi (Rio J.), Rio de Janeiro, v. 16, n. 31, jul./dez. 2015. pp. 465-490.

CHAMBOULEYRON, Rafael. A prática dos sertões na Amazônia colonial (Século XVII). Outros tempos, vol. 10, n. 15, 2013. pp. 79-99.

CHAMBOULEYRON, Rafael. Povoamento, ocupação e agricultura na Amazônia colonial (1640-1706). Belém: Açaí, 2010.

COSTA, Fernando Dores. A Guerra da Restauração (1641-1668). Lisboa: Livros Horizonte, 2004.

COTTA, Francis Albert. A fabricação do soldado português no século XVIII. In: POSSAMAI, Paulo (org.). Conquistar e defender: Portugal, Países baixos e Brasil. Estudos de história militar na Idade Moderna. São Leopoldo: Oikos, 2012.

CRUZ, Ernesto. História de Belém. vol. I e II. Belém: EdUFPA, 1973.

FERREIRA, Elias Abner Coelho. Oficiais canoeiros, remeiros e pilotos Jacumaúbas: mão de obra indígena na Amazônia colonial (1733-1777). 2016. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

HULSMAN, Lodewijk. Swaerooch: o comércio holandês com índios no Amapá (1600-1615). Revista Estudos Amazônicos. vol. VI, n. 1, 2011. pp. 178-202.

KRENAK, Ailton. Paisagens, territórios e pressão colonial. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 9, n. 3, jul./dez. 2015. pp. 327- 343.

MELLO, Christiane Figueiredo Pagano de. As áreas de guerra aberta e as de prevenção militar: O centro-sul e o norte da América portuguesa (Segunda metade do século XVIII). Revista de História Comparada, vol. 10, 2016. pp. 58-82.

MENDONÇA, Marcos Carneiro de. A Amazônia na era pombalina: Correspondências do governador e capitão-general do Estado do Grão Pará e Maranhão, Francisco Xavier de Mendonça Furtado. 1º Tomo. Brasília: Edições do Senado Federal, 2005.

MOREIRA, Eidorfe. Sertão, a palavra e a imagem. Belém: [s.n.], 1959.

NEVES NETO, Raimundo Moreira das. Um patrimônio em contendas: os bens jesuíticos e a magna questão dos dízimos no Estado do Maranhão e Grão Pará (1650-1750). Jundiai: Paco Editorial, 2013.

NORDMAN, Daniel. Frontières de France: De l’espace au territoire (siècle XVI-XIX). Paris: Gallimard, 1998.

POMPEU, André. Monções Amazônicas: avanço e ocupação da fronteira noroeste (1683-1706). 2016. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-graduação em História Social da Amazônia. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2016.

POMPEU, André. Novos olhares sobre as práticas do sertão na Amazônia colonial (Século XVIII). In: SANTOS, Fabiano Vilaça dos; RIBEIRO, Mônica da Silva. (org.). Impérios ibéricos no Antigo Regime: governo, agentes e dinâmicas políticas e territoriais (séculos XVI-XVIII). Belo Horizonte: Fino Traço, 2019. pp. 339-358.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. A Amazônia e a cobiça internacional. 5.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; Manaus: Superintendência da Zona Franca de Manaus, 1982.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. As fortificações da Amazônia no período colonial. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Rio de Janeiro: n. 344, jul /set. 1984.

ROLLER, Heather Flynn. Expedições coloniais de coleta e a busca por oportunidades no sertão amazônico (1750-1800). Revista de História, n. 168, jan/jun. 2013. pp. 201-243.

RUSSEL-WOOD, John. Histórias do Atlântico português. São Paulo: Ed. UNESP, 2014.

SAMPAIO, Antônio Carlos Jucá de. Na encruzilhada do império: hierarquias sociais e conjunturas econômicas no Rio de Janeiro (1650-1750). Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2003.

SOUZA, Laura de Mello e. Formas provisórias de existência: a vida cotidiana nos caminhos, nas fronteiras e nas fortificações. In: SOUZA, Laura de Mello e (org.) História da vida privada no Brasil. São Paulo: Cia das Letras, 1997. pp. 41-82.

VIANA, Wania Alexandrino. Gente de guerra, fronteira e sertão: índios e soldados na capitania do Pará (primeira metade do século XVIII). 2019. Tese de Doutorado em História. Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Pará, Belém/Pará, 2019.

VIANNA, Arthur. As fortificações na Amazônia I- As fortificações no Pará. Annaes da Bibliotheca e Archivo Público do Pará (ABAPP), Tomo IV (1905). pp. 227-302.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3098

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3098.g2746

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons