Sertão Monumental: considerações sobre a atribuição de valor de testemunho histórico

Daniel Barreto Lopes

Resumo


O presente artigo pretende abordar o poder simbólico da palavra monumento mediante a discussão sobre a atribuição de valor de testemunho histórico, narrativas que se organizam em torno da construção de uma simbologia “heroica” do processo histórico da interiorização nos diversos sertões do Brasil. Monumentos referentes ao vaqueiro nordestino, ao garimpeiro de Cristalina-GO, aos bandeirantes paulistas, aos candangos, ao gaúcho, aos diversos monumentos de tropeiros espalhados por cidades brasileiras de Minas Gerais a Santa Catarina, possuem uma semântica onde se delineia uma determinada concepção de patrimônio. A quem se dirige a iconografia inscrita nesses monumentos? Tais monumentos, representações culturais seletivas de memória, testemunham um passado sem lacunas, intercambiáveis em consonância com ressemantizações contemporâneas.


Texto completo:

PDF

Referências


CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 4º ed. São Paulo: EDUSP, 2015.

CATROGA, Fernando. O Culto dos Mortos como uma Poética da Ausência. ArtCultura. Uberlândia, v. 12, n. 20, p. 163-182, 2010.

CHOAY, Françoise. A Alegoria do Patrimônio. Tradução: Luciano Vieira Machado. São Paulo: Estação Liberdade/Ed.UNESP, 2001.

COSTA, Lygia Martins. De Museologia Arte e Políticas de Patrimônio. Rio de JaneiroIPHAN, RJ, 2002.

FUSARO, Diego. Reinhart Koselleck y los Monumentos como Indicadores de los Cambios Históricos y Políticos. Historia y Grafía. Ciudad del Mexico, n. 45, p.95-122, 2015.

GALETTI, Lylia da Silva Guedes. Sertão, Fronteira, Brasil: Imagens de Mato Grosso no mapa da civilização. Cuiabá: Entrelinhas/EDUFMT, 2012.

GUIMARÃES, Manuel Luiz Salgado. Vendo o Passado: representações e escrita da história. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v.15, n.2, p. 11-30, 2007.

HARTOG, François. Regimes de Historicidade: presentismo e experiências do tempo. Tradutor(es): Maria Helena Martins, Maria Cristina de Alencar Silva, Camila Rocha de Moraes, Bruna Beffart, Andréa Souza de Menezes. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

IPHAN. Ata da 113º Reunião Ordinária do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, de 17 de Dezembro de 2003. [Nova numeração].

IPHAN. Ata da 122º Reunião Ordinária do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, de 17 de Dezembro de 2003. [Nova numeração].

IPHAN. Ata da 124º Reunião Ordinária do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, de 17 de Dezembro de 2003. [Nova numeração].

JORNAL O POVO. O Tangerino Mineiro e o Vaqueiro Nordestino. 17 de junho de 1955.

JORNAL O POVO. Praça do Aeroporto. 6 de julho de 1968.

JORNAL O POVO. Vaqueiro - o herói da região ganha um museu em Morada Nova. 17 de junho de 1985.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUCRio, 2006.

LOPES, Daniel Barreto. A Atribuição de Valor a Conjuntos Urbanos Tombados Face a Rede de Patrimônio Cultural do Iphan (2006-2012). 2019. Dissertação (Mestrado): Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural, Rio de Janeiro, 2019.

MORADA NOVA-MUNICÍPIO. Lei municipal Nº 699. 25 de março de 1985.

NORA, Pierre. Memória: da liberdade à tirania. MUSAS – Revista Brasileira de Museus e Museologia, Rio de Janeiro, v.: il, n. 4, p.6-11, 2009.

OLIVEIRA, Ana Amélia Rodrigues de. Em Busca do Ceará: a conveniência da cultura popular na figuração da cultura cearense (1948-1983). 2015. Tese (doutorado): Universidade Federal do Ceará, Centro de Humanidades, Departamento de História, Programa de Pós-Graduação em História Social, Fortaleza, 2015.

POULOT, Dominique. Uma História do Patrimônio no Ocidente, Séculos XVIII-XXI: do monumento aos valores. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

VELOSO, Marisa. O Tecido do Tempo: o patrimônio cultural no Brasil e a Academia Sphan. Brasília: Editora Universitária de Brasília, 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3081

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.3081.g2766

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons