GIOTTO E O NASCIMENTO DA PERSPECTIVA: A FORMAÇÃO DO BELO A PARTIR DE IMAGENS DIALÉTICAS

Renato Silva Melo

Resumo


Giotto di Bondone foi um artista importante por quebrar as regras fixas da pintura medieval. A partir de imagens dialéticas, interrompeu uma tradição com um impressionante naturalismo das formas. Os afrescos de Giotto, executados na Capela Arena, em Pádua, mostram que o homem deve ser compreendido no seu todo, em que os elementos corporais devem dialogar com o espaço. O realismo das representações, o humanismo de seus personagens e o estabelecimento de senso de gravidade dos objetos pintados processam a interrupção com a arte bizantina e romântica. No entanto, a sua maior revolução está no uso da perspectiva presente na cena da Anunciação na Capela Arena. Mostraremos que os elementos estéticos de Giotianos são fundamentais para uma reconfiguração do espaço renascentista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALIGHIER, Dante. A Divina Comédia. Inferno. Tradução de Jorge Wanderley. São Paulo: Abril, 2010.

CANTUÁRIA, Anselmo de. Diálogos Filosóficos. Introdução, Tradução e notas de Paula Oliveira e Silva. Porto: Afrontamento, 2012.

ARGAN, Giulio Carlo. História da Arte Italiana. Vol. II: de Giotto a Leonardo. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

ARISTÓTELES. A Poética. Tradução de Ana Maria Valente. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

ARISTÓTELES. Metafísica. Tradução de Vinzenzo Cocco e notas de Joaquim de Carvalho. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

BEDO-REZAK, Brigitte Mirian. When Ego was Imago. Signs of Identity in the Middle Ages. Leiden: Brill, 2011.

BENJAMIN, Walter. Der Erzähler. Betrachtungen zum Werk Nikolai Lesskows. In: Illuminationen. Ausgewählte Schriften 1. Frankfurt/M. 1977.

BENJAMIN, Walter. Über den Begriff der Geschichte. In: Gesammelte Schriften. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1990.

BIBLIA SAGRADA. Tradução de Euclides Martins Balancin. São Paulo: Paulinas, 1990.

CAMPOS, Jorge Lúcio de. Do Simbólico ao Virtual. São Paulo: Perspectiva/Rio de Janeiro: UERJ, 1990.

CLARAVAL, San Bernardo de. Obras completas de San Bernardo V. (Sermão 85 sobre o cantar dos cantares, 13). Madrid: BAC, 1987.

DA VINCI, Leonardo. Coleção Gênios da Arte. Tradução Mathias de Abreu Lima Filho. Barueri, SP: Girassol; Madri: Susaeta Ediciones, 2007.

DELUMEAU, Jean. A Civilização do Renascimento. Tradução de Maria Berbara. São Paulo: Edições 70, 2018.

DONDIS, Donis A. Sintaxe da Linguagem Visual. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

ECO, Umberto. A Arte e Beleza na Estética Medieval. Tradução de Mario Sabino Filho. Rio de Janeiro: Globo, 1989.

FRANCASTEL, Pierre. Pintura e Sociedade. Tradução de Elcio Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

GIOTTO. L´opera Completa di Giotto. Milano: Rizzoli Editore, 1974.

GOMBRICH, Ernst. A História da Arte. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: LCT, 1999.

HAUSER, Arnold. História Social da Arte e da Literatura. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

HEGEL, G. W. F. Curso de Estética: o sistema das artes. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

JANSON, Horst Woldemar; JANSON, Anthony F. Iniciação à História da Arte. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LE BLOND, S. J., J. M. Aristote, le philosophe de la vie. In: Aristóteles. Traité sur les parties des animaux. Paris: Albier, 1945.

LE GOFF, Jacques. As Raízes Medievais da Europa. Petrópolis/RJ: Vozes, 2007.

ONIANS, John. Bearers of Meanings: The Classical Orders in Antiquity, the Middle Ages, and the Renaissance. Princeton: Princeton UP, 1988.

OSBORNE, Harold. Estética e Teoria da Arte. Tradução de Octávio Mendes Cajado. São Paulo: Cultrix, s/d.

PANOFSKY, Erwin. La perspectiva como forma simbólica. Traducción de Virginia Careaga. Barcelona, Espanha: Tusquets Editores, 2003.

PANOFSKY, Erwin. Significado nas Artes Visuais. Tradução de Maria Clara F. Kneese e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2004.

PARRONCHI, Alessandro. Studi su la dolceprospettiva. Milano: Aldo Martelli, 1964.

SUASSUNA, A. Iniciação à Estética. Recife: Universitária, 1979.

VASARI. Giorgio. Vidas dos Artistas. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

VENTURI, L. Para Compreender a Pintura de Giotto a Chagall. [s/l]: Estudios Cor, 1972.

WERTHEIM, Margaret. Uma História do Espaço de Dante à Internet. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

WOLF, Noberto. Giotto. Lisboa: Taschen, 2007.

WÖLFFLIN, Heinrich. Renascença e Barroco. Tradução de Mary Amazonas Leite de Barros e Antônio Steffen. São Paulo: Perspectiva, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.2897

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.2897.g2750

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons