O conhecimento científico e a colonização dos horizontes: progresso e desenvolvimento na modernidade

Aleandro Gonçalves Leite

Resumo


O presente artigo analisa a estrutura constitutiva do conhecimento científico, sua formação histórica e suas bases epistemológicas como mecanismos de dominação ocidental. Essa análise se baseia na premissa de que as ciências modernas, revestidas do discurso de neutralidade, possuem em sua estrutura epistemológica elementos que agiram durante o pós-medievo a pleno serviço do capital emergente e das suas reconfigurações horizontais. Para a exploração dessa premissa, se tomou como plano de fundo o desenvolvimento e o progresso como dispositivos ideológicos que instrumentalizaram os principais teóricos da modernidade, período concomitante ao processo de expansão e homogeneização do euro-centrismo no horizonte pós colonial.


Texto completo:

PDF

Referências


AIUB, Monica. Interdisciplinaridade: da origem à atualidade. O Mundo da Saúde, São Paulo, V. 30, n.1, p. 107-116, 2006.

BATTISTI, César Augusto. O método de análise cartesiano e o seu fundamento. Scientiae studia, FFLCH – USP, São Paulo, V. 8, n. 4. p. 571-596, 2010.

BURY, John Begnell. The idea of progress, aninquiry into its origin and growth. Temple of Earth publishing, 1920.

HOBSBAWM, Eric. A era das revoluções. Trad. Maria Tereza Teixeira. Rio de Janeiro: Editora PAZ E TERRA, 1977.

HUME, David. Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. Trad. José de Almeida Marques. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

HUSSERL, Edmund. A crise da humanidade europeia e a filosofia. 2. ed. Trad. Urbano Zilles. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2002.

___________. A crise da humanidade europeia e a filosofia. In: Europa: crise e renovação. Universitas Olisiponensis, Phainomenon, Lisboa, p. 119-152, 2006.

KANT, Immanuel. Metafísica dos costumes. Trad. Edson Bini. Bauru: EDIPRO, 2003.

_____________. Ideia de uma história universal com um propósito cosmopolita. Trad. Artur Morão. Lisboa: LUSOSOFIAPRESS, 2006.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Trad. Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: PUC-RIO, 2006.

LEITE, Aleandro Gonçalves. História e objetivismo das ciências. Temporalidades, Belo Horizonte, V. 9, n. 1, p. 184-195, 2017.

MORUJÃO, Carlos. Husserl e a história. Phainomenon, n. 14, p. 143-156, 2007. Disponível em: http://phainomenon-journal.pt/index.php/phainomenon/article/view/134. Acessado em: 07 mai. 2018.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura de Souza (org.). Epistemologias do sul. (CES), Coimbra: Edições Almedina, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.2894

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.18223/hiscult.v9i1.2894.g2759

 

Licença Creative Commons A Revista História e Cultura, ISSN: 2238-6270, Franca, SP, Brasil, está licenciada sob uma Licença Creative Commons